Hudson Henrique.
Tentando ser tudo no meio do nada. Sendo um nada no meio de tudo, entre todas as outras casas.
Capa Textos Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links

 
Textos
Olhos de gás butano.
Senti meu estômago abrindo como uma boca
enorme, grotesca.
Me engolindo pela garganta.

Me tornando em argumentos de desculpas
patéticas e repetitivas.
Poéticas e poluídas.

Nenhuma plausível
pra mim poder comemorar
em meu trono de aberrações e perdas
que tive pelo caminho de pedras.

Meu corpo de cera ia derretendo
cada vez que me aproximava mais do sol,
que tinha a cor do mel dos teus olhos quentes
que me fizeram parafina novamente.

Me reconstruíram,
não fui o mesmo molde.
Não tive os mesmos modos,
etiquetas ou palavras.

Havia uma nova versão
a cada tragédia que acontecia.
Me reformulava,
sabia de cor cada erro e tropeço.
Tão perfeito como um bocejo em câmera lenta.

Um maçarico me derretendo aos poucos,
tomando forma de fim
o que eu tivera tão pouco.

Levando socos
pra lembrar
que teus olhos
queimavam
como gás
butano.
Hudson Henrique
Enviado por Hudson Henrique em 18/04/2020
Comentários
Somos todos Anjos bêbados demais pra voltar p... R$16,90 Madrugada adentro como essas, costumam me pux... R$14,99 Todas as músicas que nunca cantei. R$14,99
Capa Textos Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links