Hudson Henrique.
Tentando ser tudo no meio do nada. Sendo um nada no meio de tudo, entre todas as outras casas.
Capa Textos Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links

 
Textos
Dois olhos, um cervo.

O transforma a dor do poste,
com as conchas amarelas no estandarte.
Uma luz cor de lua laranja.
As costas da minha mão doem.
E busco respostas olhando pro céu a noite.

Varro os meus passos
seguindo
e pensando nem te encontrar.

Dois pares, um par de faróis
Acesos
Volante frio, lata gelada.
Guio, procuro caminhos. Sigo pelas ruas nebulosas e asfaltadas. Só eu, de vez em quando um outro solitário passa pelo retrovisor, perdido e sem caminho, pobre miserável nós éramos. Somos?

Bocejo,
sem sono.
Sem alma. Queria ir pra sua casa.
Mas sou muito covarde pra isso.

Eu já falei sobre a noite e as suas calçadas irregulares.
Sobre o cimento nada concreto que me escondia os defeitos.
E os efeitos por te escolher no meio de tantos azulejos.

- Da obra: Sarda&Mostardas.

- Da obra: Sarda&Mostardas.

          
Onde me encontrar:
Site oficial: hudsonoficial.com
Instagram: @hudsonhenriquer
Links: linktr.ee/hudsonhenrique
Hudson Henrique
Enviado por Hudson Henrique em 21/03/2021
Alterado em 21/03/2021
Comentários
Somos todos Anjos bêbados demais pra voltar p... R$16,90 Madrugada adentro como essas, costumam me pux... R$14,99 Todas as músicas que nunca cantei. R$14,99
Capa Textos Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links